Antologia Virtual

ABELARDO E HELOÍSA

Abelardo e Heloísa

Abelard and his pupil Heloise, Edmund Leighton, de 1882

Abelardo e Heloísa, um dos casais mais famosos da história, viveu na França da Idade Média. Quando se conheceram, Heloísa estava sob a tutela do seu tio Fulberto, cônego e vigário geral da Catedral de Notre-Dame, que acolheu Abelardo em sua casa. ​Como Abelardo era professor, sugeriu ensinar Heloísa, o que foi recebido com grande aceitação por Fulberto, que desejava que sua sobrinha avançasse em seus estudos.

Com o tempo, ambos se apaixonaram e começaram a namorar em segredo até serem flagrados, em uma noite, por Fulberto que imediatamente expulsou Abelardo de sua casa. 

Jean Vignaud - Abelardo e Heloísa.jpg

Abelard and Heloise Surprised by the Abbot Fulbert, Jean Vignaud, 1819

Como estavam muito apaixonados, o casal continuou se encontrando secretamente até que Heloísa engravidou e deu a luz a um menino, o qual chamou de Astrolábio.

Aberlardo decidiu, então, casar-se com sua amada de modo bastante discreto, tentando esconder todo o escândalo que envolvia seu relacionamento. Mas, logo a notícia se tornou pública, chegando aos ouvidos de Fulberto como uma mácula à imagem de sua família. Tomado pela ira, o tio traído contratou alguns malfeitores que atacaram Abelardo e o castraram.

 

Envergonhado, Abelardo forçou a separação de Heloísa que ingressou no Mosteiro de Santa Maria de Argenteuil e também ingressou na vida monástica no Mosteiro de Saint-Denis. Assim, pelo resto de suas vidas, o casal se comunicou somente por cartas, por onde declaravam todo seu amor impossível.

 

Atualmente, os restos mortais dos dois amantes encontram-se sepultados lado a lado no cemitério Padre Lachaise, na França.

AbelardHeloiseTomb.jpg

Túmulo de Aberlardo e Heloísa, no cemitéio Padre Lachaise, www.wikimedia.org

Trechos das cartas, extraídos do site "Página da Beatrix"

 

Carta de Abelardo à Heloísa

“Fujo para longe de ti,

evitando-te como a um inimigo,

mas incessantemente

te procuro em meu pensamento.

Trago tua imagem em minha memória

e assim me traio e contradigo,

eu te odeio, eu te amo.”

 

Carta de Heloísa a Abelardo

“É certo que quanto maior é a

causa da dor, maior se faz

a necessidade de para ela

encontrar consolo, e este

ninguém pode me dar, além de ti.

Tu és a causa de minha pena,

e só tu podes me proporcionar conforto.

Só tu tens o poder de me entristecer,

de me fazer feliz ou trazer consolo.”

Fontes:

1. POMBO, Olga. Abelardo e Heloísa. Pierre Abélard. Disponível em: <http://www.beatrix.pro.br/index.php/abelardo-e-heloisa>. Acesso em: 07 de março de 2021.

2. ALGRAVE, Beatrix. Abelardo e Heloísa. Disponível em: <http://www.beatrix.pro.br/index.php/abelardo-e-heloisa/>. Acesso em: 07 de março de 2021.